Obras de remoção de Camalote concluídas no troço do rio Guadiana entre Villanueva de la Serena, praia de Medellín, e Baden de Valdetorres.

O troço do rio Guadiana entre Villanueva de la Serena, a praia de Medellín e a lomba de velocidade Valdetorres é, após os trabalhos de pré-eradicação realizados este Verão pela Confederação Hidrográfica do Guadiana, sem a presença aparente de jacinto de água. Os 35 km deste troço são adicionados aos 75 km dos troços inferiores que incluem a zona urbana de Mérida, a albufeira do Montijo e todo o rio a jusante da colina de velocidade Talavera, passando por Badajoz e até à albufeira do Alqueva.

A monitorização do rio através da vigilância terrestre e aérea (voos e drones) e da detecção remota para ver o estado da invasão biológica tornou possível verificar a situação desta zona do rio que passou para o nível de alerta verde. No entanto, existem brigadas distribuídas que controlam a área diariamente. Embora haja ainda outros 70 km do rio cobertos com uma grande quantidade de jacinto de água, o risco desta planta invasora entrar em terras portuguesas está longe de ter terminado e as previsões de limpeza para o próximo Inverno são muito optimistas.

Durante estes últimos meses com o aumento das temperaturas e a plena actividade vegetativa da planta, os trabalhos de acção da Confederação Hidrográfica do Guadiana centraram-se na monitorização e controlo das subsecções do rio sem planta aparente e no controlo e defesa de pontos estratégicos e infra-estruturas, nesta acção participou o projecto ACECA que é co-financiado com fundos FEDER através do programa INTERREG V A Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020, projecto que lidera a Confederação Hidrográfica do Guadiana.

Neste momento trabalham no rio 6 equipas de maquinaria pesada e cerca de 100 pessoas que estão encarregadas de conter, vigiar ou manter as zonas afectadas pela planta invasora camalote. Actualmente, os 70 km de rio mais afectados pela presença de grandes manchas de plantas são os troços entre as lombas de velocidade Valdetorres e Miralrío (Mérida) e entre as lombas de velocidade Torremayor e Talavera. Com a descida das temperaturas, os trabalhos de limpeza integral do rio serão novamente intensificados nas secções pendentes, mantendo sempre a inspecção daqueles sem presença aparente da fábrica. Esta vigilância está a ser reforçada e durará vários anos.